Amazing Grace - Rhema Marvanne

Feliz Ano Novo 2011

"Se o Senhor não fora em meu auxílio, já a minha alma habitaria no lugar do silêncio” (Salmos 94:17)
Chegámos ao fim de mais um ano.

Foi um ano extraordinário para ti?
Agradece a Deus pelas bênçãos que recebeste.
Louva o nome do Senhor pela sua misericórdia e fidelidade, e prepara-te para continuares sendo uma fonte de inspiração para as pessoas que te rodeiam.
Foi um ano turbulento para ti?
Agradece a Deus porque no meio das tormentas e das tristezas aperfeiçoamos o nosso carácter e é na dor que aprendemos a valorizar a alegria.
Começa o próximo ano com a certeza de que o Deus misericordioso que te acompanhou no decorrer deste ano estará ao teu lado sustentando-te nos momentos difíceis que tenhas que enfrentar no próximo ano.
O anfitrião agradece aos caros seguidores todo o apoio e contributo recebido e deseja a todos um abençoado ano 2011.


Qual é a fila para ver Jesus?

While at the mall a couple of years ago, my then four year old nephew, Spencer, saw kids lined up to see Santa Claus. Having been taught as a toddler that Christmas is the holiday that Christians celebrate the birth of Jesus, he asked his mom, "where's the line to see Jesus"?... Becky Kelly


Aproximava-se o Natal
Começava a nevar
Todos compravam prendas
Enchendo a cidade

As crianças esperavam o Pai Natal
Com alegria e emoção
Um menino puxou meu casaco
Olhou para mim e perguntou:

Qual é a fila para ver Jesus?...

Um estranho pedido

Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou naquele dia. Josué 14:12
Há muitos pedidos na Bíblia. A mãe de Tiago e João aproximou-se de Jesus e pediu um “favorzinho”: “Manda que, no Teu reino, estes meus dois filhos se assentem, um à Tua direita, e o outro à Tua esquerda” (Mt 20:21). Ela queria para os filhos os lugares de maior honra e autoridade. Mas se eles soubessem que Jesus, em vez de ser coroado seria crucificado, certamente não teriam pedido à mãe para fazer esse pedido.
O cego Bartimeu, de Jericó, ao ouvir que Jesus estava passando por ali, pôs-se a clamar: “Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim!” “Perguntou-lhe Jesus: Que queres que Eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver” (Mc 10:51).
Salomão pediu sabedoria. Um outro pediu fé: “Eu creio! Ajuda-me na minha falta de fé” (Mc 9:24). Esta é uma oração que todos devemos fazer, na certeza de que seremos atendidos. Os pedidos reflectem o carácter do solicitante.
Um dos pedidos mais estranhos foi feito por Caleb a Josué, e revela a sua nobreza de carácter: “Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou naquele dia.” Um homem de 85 anos estava pedindo um monte, cheio de gigantes e cidades fortificadas, que aterrorizaram o povo de Israel. Mas foi esse o lugar que Caleb quis ter como herança – uma montanha cheia de dificuldades, um obstáculo para ocupar a Terra Prometida.
Quando John Paton era jovem e estava a estudar para se tornar missionário nas ilhas do sul do Pacífico, no começo do século 19, o seu tio procurou desencorajá-lo dizendo-lhe: “John, se tu fores para essas ilhas serás devorado pelos canibais.” John Paton respondeu dizendo: “Quando o Senhor morrer será comido pelos vermes. Para mim pouca diferença faz ser comido pelos vermes ou pelos canibais.” Paton trabalhou durante trinta anos nas ilhas do sul do Pacífico e não foi devorado pelos canibais, mas ganhou muitos deles para Cristo.
Paton e Calebe pertenciam àquela classe de homens dos quais a Bíblia diz que “da fraqueza tiraram força” (Hb 11:34). São um exemplo para todos nós.

Te Amo Mas Que A Mi Misma Vida


Te amo por completo,
Te amo Dios eterno
Te amo mas que a mi misma vida,
Te amo con pasión
Te amo con fervor
Te amo mas que a mi misma vida.

No tengo otra razón para existir Señor
Tú eres mi pasión, eres mi pasión
Mi corazón es tuyo,
Mis sentimientos tuyos
Mú eres mi pasión, eres mi pasión...

Ervas Daninhas

E, quando a erva cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Mateus 13:26
“No Oriente, os homens vingavam-se muitas vezes do inimigo, espalhando sementes de qualquer erva daninha, muito semelhante ao trigo, em crescimento, nos seus campos acabados de semear. Crescendo com o trigo prejudicava a colheita, e causava fadigas e prejuízos ao proprietário do campo. Assim Satanás, induzido por sua inimizade a Cristo, espalha a má semente entre o bom trigo do reino” (Parábolas de Jesus, p. 71).
Normalmente, a erva daninha semeada no meio dos trigais dos inimigos, era uma planta nativa da Palestina, chamada cizânia, que atinge 60 centímetros de altura, e não pode ser distinguida do trigo, durante a fase de crescimento. Somente quando a planta amadurece e seus grãos se tornam pretos, se pode perceber a diferença. Estas sementes são venenosas e, se forem comidas, produzirão violentas náuseas, convulsões e, às vezes, chegam a causar a morte.
Normalmente, porém, ninguém planta ervas daninhas no seu próprio quintal, pois elas nascem e crescem sem qualquer esforço de nossa parte. Não é preciso lavrar a terra, adubá-la, regá-la, ou mesmo proteger tais ervas do Sol ou das formigas. Tudo que é necessário para que as elas se desenvolvam é ficar de braços cruzados. Esta é uma lição que a natureza nos ensina: o terreno não cultivado não fica vazio, mas o que nasce sem ter sido semeado geralmente não serve para nada.
Assim é também na vida. Desconfia de tudo aquilo que não requer esforço, pois certamente se trata de erva daninha.
Descobre as ervas daninhas da tua vida e arranca-as, pois elas podem estragar para sempre o teu belo jardim. Arranjar o jardim dá trabalho, mas vale a pena.
Pede a Deus que te ajude nessa árdua tarefa.

não te esqueças.........

Só o Eco

Justiça de Deus

“Faz-me justiça, Senhor, pois tenho andado na minha integridade e confio no Senhor, sem vacilar.” Sal. 26:1.

Sabes o que é que o jovem rico e o irmão do filho pródigo têm em comum?
A certeza de que as suas obras eram o suficiente para agradar o Pai. Ambos dependiam de suas acções.
Eles representam muitos dos sinceros filhos de Deus que lutam para viver uma vida irrepreensível como meio de salvação e não como fruto da mesma. O texto de hoje parece dar respaldo a esse tipo de comportamento, na aparente soberba de David ao dizer: “Tenho andado na minha integridade.”
David era um pobre pecador arrependido que se apoderou da justiça divina a ponto de dizer: “minha integridade”.
Ao olhar para este texto, vem à minha mente a imagem de muitas pessoas que dizem: “Nunca vou conseguir ser um bom cristão! Não posso vencer meus maus hábitos e vícios! Nunca vou conseguir ser integro!”
Talvez tu vivas esta realidade. Lutas diariamente para vencer e sentes que não consegues nenhum avanço. Foi o que ouvi de Ivan enquanto ele consertava o meu relógio: “Não gosto de ser assim. Luto para vencer, mas não consigo!”
A expressão integridade, em hebraico, quer dizer literalmente “coração inteiramente dedicado”. O segredo não é viver uma vida correcta como meio de receber o que Deus prometeu. A chave é manter o coração inteiramente dedicado a Deus e confiar nEle sem vacilar. É a confiança em Deus que faz do fraco forte, que levanta o caído e restaura o ferido.
O texto de hoje é uma súplica por justiça. David era acusado de traição a Saul, e este procurava matá-lo. A única arma de David era a justiça de Deus e essa também é a única arma para vencer o mal que destrói nosso mundo interior.

A justiça de Deus é amor, porque Deus é amor. A justiça de Deus levanta o ser humano e restaura nEle a imagem perdida de Deus. A justiça de Deus faz pelo homem o que ele não pode fazer por si mesmo. Não te esqueças disto nas horas em que te assaltar o temor de estar completamente perdido.
Não carregues mais o peso da culpa. Joga fora a sensação de lutar e nada conseguir. Apodera-te da justiça de Deus. Clama: “Faz-me justiça, Senhor, pois tenho andado na minha integridade e confio no Senhor, sem vacilar.”
Alejandro Bullón

He Knows My Name

ADRA - RECOLHA DE ALIMENTOS

A delegação da ADRA da Figueira da Foz quer agradecer a todos os voluntários que no passado domingo dia 14, prestaram mais uma vez, e de uma forma excepcional, a sua colaboração na campanha de recolha de alimentos efectuada no hipermercado E.Leclerc, da Figueira da Foz. Sem a vossa colaboração, era impossível levar este projecto avante.

Um bem haja a todos, que Deus vos abençoe.

Helena Ganhitas e Paula Dias.

O Silêncio de Deus

É cedo em Salt Lake City. O meu vôo para Tucson partirá dentro de poucos minutos e aproveito o tempo para responder a uma pergunta que me fizeram no meu blog. Porquê quanta mais urgência tu tens nas respostas, Deus tarda em responder?
A resposta mais simples seria: “Deus sempre sabe o que faz.” E é justamente no facto de que “Deus sempre sabe o que faz,” que os cristãos se refugiam para suportar a dor, que muitas vezes os sufoca.
Ao longo da Bíblia encontramos muitas ocasiões nas quais Deus guardou silêncio. João Batista, por exemplo, morreu, quase esquecido, esperando uma visita de Jesus. Jób atravessou o vale da aflição e da morte e em nenhum momento Deus lhe disse porquê permitia que ele sofresse.
De uma coisa estou certo. Deus ama-te muito. O que mais Ele deseja é que tu sejas feliz e se, apesar de amár-te, permite que a dor toque a tua vida é porque na sua infinita sabedoria, Ele tem preparado algo melhor para ti. Embora neste momento tu não compreendas isto.
Diante da minha resposta talvez tu te estejas perguntando: “Qual é então, o valor da fé? Para que é que Jesus aparece na nossa vida? Ah querido, a fé não existe para que as dificuldades desapareçam, mas para que elas não te destruam. Jesus disse “No mundo tereis aflições, mas confiai, eu venci o mundo.”
Um exemplo disso foi o que aconteceu com Pedro, no mar da Galiléia. Era noite escura. Havia tormenta, ventos contrários e ondas gigantescas. Pedro e seus companheiros pensaram que tinham chegado ao fim. E clamaram a Jesus.
O Senhor, sempre aparece quando clamas por Ele. E Jesus apareceu aquela noite, mas a tormenta não desapareceu.
Quer dizer que quando Jesus aparece na vida, nem sempre as dificuldades desaparecem? Exatamente isso.
Mas algo extraordinário aconteceu aquela noite. O medo, o desanimo e o desespero, desapareceram do coração dos discípulos e, o medroso Pedro, transformado pelo poder da fé, foi capaz de andar vitorioso por cima das dificuldades e do mar enraivecido.
Deus não quer filhos fraquinhos. Ele não corre ao primeiro grito do bebé que chora. Ele quer cristãos fortes, como a palmeira, formada no deserto, com sol e com vento.
Então, quando Deus não responde à pergunta de por que é que tu sofres deixa a Deus continuar trabalhando em silêncio, lapidando a tua vida no esmeril da dor, para produzir um belo diamante.
Tu vales mais do que um milhão de diamantes. Tu és o sonho de Deus!

Alejandro Bullón

A Coisa Mais Linda de Deus

Testemunho de Cintia Alves

Meus Anjos Condutores

Porque aos Seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Salmo 91:11
Já era noite, e eu conduzia a minha carrinha de St. Petersburg para Orlando, Florida, após ter passado um longo dia ajudando a minha irmã Bernie a fazer a mudança. Muitos membros da família estavam lá para fazer com que a mudança se processasse tranquilamente. Agora era tarde, mas ainda assim eu precisava de ir para casa. A minha irmã mais nova, Nat, começou a preocupar-se comigo, porque tenho um histórico de me apavorar ao conduzir, especialmente à noite. Ela prometeu-me seguir logo atrás de mim, para ter certeza de que eu estava bem. Fiz uma oração e fui para a estrada, grata por aqueles que prometeram ajudar-me.
Quando entrei na Interestadual 4, que nos leva a Orlando, pareceu-me, de repente, que eu tinha ido demasiado para a esquerda, saindo da estrada. Estava escuro, e a minha carrinha estava tão carregada com os pertences de Bernie que eu não via se Nat continuava ou não atrás de mim. O que fazer? Eu perguntava-me onde entrar e o que fazer quando o meu telemóvel tocou. Quem seria? Fiquei intrigada, já que Nat não tinha trazido o seu telemóvel. Atendi, e uma voz que reconheci muito bem gritou: “Continue recto, e voltarás de novo para a estrada!” A voz pertencia à minha prima, Gina. Eu não tinha reparado que ela também me seguia. Obedeci, agradecida, e imediatamente estava de novo na estrada que me levaria para casa. Conduzi com a segurança de que Jesus estava comigo e de que eu tinha dois preciosos anjos, conduzindo de forma estranhamente vagarosa, atrás de mim. Às vezes podemos ver e ouvir os nossos anjos, outras vezes não – mas eles estão sempre presentes!
Enquanto prosseguia, lembrei-me das muitas vezes em que mostrei o caminho para a minha prima e minha irmã, que agora me acompanhavam para ter a certeza de que eu estava segura. Ambas tinham morado connosco, e éramos muito chegadas. Mais do que nunca, entendi que nesta vida precisamos às vezes de alguém para nos guiar. “Continua recto”, “Volta atrás” e “Pára” são algumas das orientações que já dei e já recebi. Como é maravilhoso que Deus tenha tomado providências em nosso favor, com membros solidários da família, que nos podem guiar quando perdemos o rumo! Sinto-me mais humilde ainda por saber que o Senhor no Céu me manda meus próprios anjos condutores, a fim de me guiarem com segurança para o lar.

Senhor, concede-me hoje a oportunidade de apontar a alguém o caminho para Ti – a direcção perfeita.

Dear Mr. God

Eu sei que tu me amas

Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. 1 João 4:8
Era uma noite fria, e tudo parecia calmo no hospital onde a enfermeira Sueli trabalhava. Ela entrou no quarto 712 para ver como estava o novo paciente, o Sr. Guilherme, que tinha sofrido um enfarte e parecera agitado durante a noite. Ele ficou atento quando a porta se abriu, mas pareceu desapontado ao ver a enfermeira. Sueli perguntou-lhe como se sentia e notou que ele queria dizer-lhe algo.
Finalmente, com lágrimas nos olhos, Guilherme pediu-lhe que telefonasse à sua filha Jane e lhe contasse que ele tivera um enfarte. Ela era a única pessoa da família que lhe restava e ele estava ansioso de que ela soubesse de tudo. Sueli prometeu chamá-la imediatamente. Antes que a enfermeira saísse ele pediu um pedaço de papel e uma caneta, que ela providenciou.
Quando Sueli ligou para a Jane, ficou alarmada com reação dela. Ela exclamou: “Oh, não! Ele não vai morrer, pois não?” Jane deixou escapar que ela e o pai não se falavam há mais de um ano por causa de uma discussão acerca de um namorado. As últimas palavras de Jane para o seu pai tinham sido: “Eu odeio-o!” Mas depois ela arrependeu-se e ansiava por ser perdoada.
A enfermeira voltou à pressa para o quarto de Guilherme e encontrou-o inconsciente. Ele tinha sofrido outro enfarte. Ela accionou a emergência e, em segundos, médicos e enfermeiras encheram o quarto. Sueli orou a Deus pedindo-lhe que não deixasse o Sr. Guilherme morrer antes de fazer as pazes com a filha. Mas todos os esforços médicos foram em vão. Guilherme acabara de morrer.
Pouco depois Sueli viu na recepção um médico a falar com uma jovem. Ela estava abalada. Era Jane. Sueli levou-a para uma sala e tentou confortá-la. “Eu nunca o odiei, na verdade. Eu amava-o”, disse Jane. Ela insistiu em ver o pai, e ao inclinar-se sobre o seu corpo sem vida, chorou amargamente. Nesse instante, Sueli viu o pedaço de papel que tinha trazido a Guilherme. Ele tinha escrito a seguinte mensagem, que Jane leu em voz alta: “Minha querida Jane, eu perdoo-te. Peço a Deus que tu também me perdoes. Eu sei que tu me amas. Eu também te amo. Papá.” A aflição no rosto de Jane foi substituída por uma expressão de paz.
Se pudéssemos retornar ao Gólgota e contemplar o corpo sem vida de Jesus, veríamos uma tabuleta por cima da Sua cabeça, com a inscrição: “Este Homem é o Filho de Deus.” E na parte detrás encontraríamos as palavras: “Meu querido (põe aqui o teu nome), Eu te perdoo. Eu sei que tu me amas. Eu também te amo. Jesus.”

Adventistas somam 16,6 milhões de membros em todo o mundo

Silver Spring, Estados Unidos … [ASN] G. T. Ng, secretário da Igreja Adventista em âmbito mundial, apresentou seu relatório aos delegados do Concílio Anual no domingo, 10 de outubro, destacando a necessidade de aumento de atividade de missões em áreas onde a Igreja tem trabalho reduzido.

Muito desse crescimento vem da América Latina e da África Oriental e Meridional, disseram líderes da Igreja durante o relatório do secretário para o Concílio Anual, uma reunião administrativa da Comissão Executiva denominacional que reúne aproximadamente 300 delegados.

Embora a apresentação reiterasse informações de relatórios do ano anterior, serviu como uma visão expandida das operações da Igreja, incluindo a atividade de missões, e foi a primeira exposição de G. T. Ng como secretário da Igreja Adventista.

Novas análises incluíram uma visão “séria” quanto à mudança de uma “metodologia pró-ativa para uma reativa” em alocação missionária. Ng, um ex-secretário associado que supervisionava o recrutamento para missões em boa parte da Ásia, disse que mais missionários estão servindo em instituições estabelecidas do que no trabalho missionário de “linha de frente”.

Em 2008, a Igreja enviou 755 missionários de tempo integral, cerca de 56 por cento dos quais serviram em instituições. Esse número está acima dos 45 por cento 10 anos atrás, declarou Ng. A Igreja gasta de 21 a 24 milhões de dólares ao ano com salários para missionários de tempo integral, recrutados e processados mediante a sede da administração denominacional.

“Se gastarmos uma boa parcela de nosso orçamento em instituições [missionárias], então estaremos sacrificando nossa necessidade na Janela 10/40″, comentou NG, referindo-se à região mundial da África Ocidental até a Ásia Oriental onde o cristianismo conta com pouca presença.

Número e desafios – A membresia denominacional em muitas regiões do mundo é forte e crescente, declarou Bert Haloviak, diretor do escritório de Arquivos e Estatísticas. Em 30 de junho, havia 16.641.357 adventistas por todo o mundo, informou Haloviak. Isso representa um adventista para cada 414 pessoas sobre o planeta, uma melhora de 10 desde o Concílio Anual do ano passado, ele disse.

Haloviak disse aos delegados que a África tem o maior número de membros entre todos os continentes e que a quantidade de membros na América do Sul é a que está crescendo mais rapidamente. Do número total de membros, a África tem 37 por cento, a América Latina 33 por cento, a Ásia 19 por cento, a América do Norte 7 por centro e a Europa/Oceania tem 4 por cento.

Este é também o sétimo ano consecutivo em que a Igreja tem um ganho líquido de mais de 1 milhão de membros. Haloviak declarou que 1.062.655 pessoas uniram-se à Igreja entre 1o. de julho de 2009 e 30 de junho deste ano. Cerca de 41 por cento desses novos membros estão na América do Sul e África Meridional, 18 por cento na América Central e quase 16 por cento na África Centro-Oriental. Os 21 por cento restantes vivem em outras regiões mundiais. A Europa respondeu por menos de 2 por cento dos novos membros.

Haloviak também relatou sobre as contínuas auditorias de membros na América do Sul, como tem feito em anos anteriores. Mesmo com recentes medidas de auditoria ali e na região da Ásia Meridional-Pacífico, os registros revelam que ambos os campos estão entre as áreas de mais rápido crescimento na denominação.

A Igreja na América do Sul tem conduzido auditorias de membros para cada um dos últimos três anos. A membresia mesmo assim cresceu ali em 218.000 membros no ano passado. Na Ásia Meridional-Pacífico, o crescimento líquido têm coerentemente se mantido acima de 6,5 por cento pelos últimos três anos. A região também têm experimentado perda de 6,5 por cento de membros para cada 100 conquistados, a única das 13 regiões mundiais a ter perda líquida de membros de um dígito.

“Temos a tendência de ir a lugares onde o trabalho é fácil”, ele disse. “Mas quando consideramos a escuridão nos países da Janela 10/40 … temos que tomar nota disso e fazer planos correspondentes”, ele comentou aos delegados. [Equipe ASN, Ansel Oliver]
Fonte: http: //www.novotempo.org.br/advir/?p=3331

Thy Word

Em segundo lugar

A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas. 1 Coríntios 12:28
Roger Schoenhals conta que passou toda a sua vida académica à sombra da irmã mais velha, que tinha estudado na mesma escola antes dele. Tanto no ensino básico, como no médio e superior, os professores, ao verem o seu apelido, diziam-lhe: “Ah, sim, tu és o irmão da Stephanie. Que óptima aluna ela era!” Os professores não poupavam elogios à sua irmã, e ele acabou por ficar mais conhecido como “o irmão de Stephanie”, do que pelo seu próprio nome.
Quando temos alguém na família que foi notório por alguma razão, as pessoas costumam ignorar a nossa própria identidade e relacionar-nos com aquele familiar, dizendo: “Ah, tu és o sobrinho de Fulano!” E passamos a ser conhecidos apenas como o parente de alguém mais importante do que nós.
Na Bíblia, as pessoas são geralmente identificadas pelo seu próprio nome e os nomes dos seus antepassados, não dos seus irmãos, primos ou sobrinhos. No entanto, no caso de André, parece que foi exactamente isto que aconteceu. O seu nome aparece treze vezes no Novo Testamento, sendo que em seis delas ele é identificado como “o irmão de Pedro” (Mt 4:18; 10:2; Mc 1:16; Lc 6:14; Jo 1:40; 6:8). O único texto que menciona André sem fazer qualquer referência a seu irmão é João 12:22. Nessa ocasião, uns gregos aproximaram-se de Filipe, dizendo-lhe que queriam ver Jesus. E Filipe transmitiu esse recado a André, o qual levou o assunto para Jesus decidir.
Assim, André, o irmão de Pedro, que desempenhava um papel secundário, ocupa um lugar de importância na Bíblia, pois além de levar o seu irmão a Jesus, foi também considerado o primeiro missionário dos gentios.
Mas, pior mesmo é ocupar o segundo lugar na área afectiva, como foi o caso de Lia. Embora soubesse que Jacob amava a sua irmã Raquel, ela participou no engano planeado pelo seu pai Labão, para se casar com ele, mas nunca deixou de ser “a outra”, na vida de Jacob. Entretanto, Deus, vendo que Lia era desprezada, deu-lhe sete filhos, como prémio de consolação por ser menos amada, enquanto Raquel teve apenas dois. E mais do que isso: Jesus era descendente de Judá, que era filho de Lia, não de Raquel.
Pela Sua vida e ensinos, Jesus ensinou-nos a ceder o lugar de honra a outros, “pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado” (Lc 14:11). “O maior dentre vós será vosso servo” (Mt 2311).
Para Jesus não há segundos nem terceiros, todos somos primeiros. Ele morreu por todos!

Será Que Brilhas no Escuro?

Actividade organizada pela Comissão Regional Centro tendo como objectivo ajudar individualmente a cada participante a ser criativo na hora de COMUNICAR Cristo aos que o rodeiam, onde envolve actividades de evangelismo prático, actividades de convívio e recreativas. Data limíte de inscrição 28 de outubro.

With All I Am


Como Crianças?

Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Mateus 18:3

Há várias qualidades que podemos salientar nas crianças, como a fé, a sinceridade e a franqueza. Vejam, a seguir, algumas cartas escritas por crianças ao pastor da sua igreja:
“Querido Pastor! Preciso de dar graças antes de cada refeição? Mesmo quando tem rabanetes e agriões?” – Beth, 9 anos.


“Querido Pastor! Por favor, faça uma oração pela minha professora. Ela está doente e se o senhor fizer uma oração ela ficará melhor e voltará para dar as aulas.” – Susana, 9 anos.
P.S. “Alguns meninos de minha turma disseram que eu não devia escrever esta carta.”


“Querido Pastor! Eu queria que o meu pai fosse um pastor, assim ele teria de trabalhar só um dia por semana também.” – Fred, 9 anos.


“Querido Pastor! Ore por mim amanhã. Penso que me vou esquecer de fazer o meu trabalho de casa.” – Estêvão, 10 anos.


“Querido Pastor! O senhor acha que Deus sabe o meu nome? Até a minha professora não sabe o meu nome e eu estou na sua sala há 2 anos.” – Franklin, 10 anos.

Sem dúvida; franqueza, sinceridade e inocência são qualidades maravilhosas, que todos nós deveríamos possuir. Mas há três virtudes que tornam a criança um símbolo dos cidadãos do Reino:

1. Humildade. A criança não deseja salientar-se. Ela prefere passar despercebida. É claro que há crianças que se exibem, mas isso é mais raro, e é quase sempre o resultado do tratamento inconveniente por parte dos adultos.
2. Confiança. Até certa idade, a criança pensa que o seu pai sabe tudo, e que está sempre certo. Quando se torna adolescente, pensa que ele está sempre errado. Mas a criança, instintivamente, confia nas pessoas que imagina saberem das coisas. E também confia nas pessoas que não conhece, pois ainda não aprendeu a desconfiar do mundo. Essa é uma virtude que existe nas almas puras, herdeiras do Reino.
3. Dependência. O adulto é auto-suficiente, enquanto a criança é totalmente dependente de outro indivíduo para a sua sobrevivência. Esta é uma característica exclusiva de uma criança pequena, e foi isso que Jesus quis dizer ao afirmar que se não nos tornarmos como crianças, não entraremos no reino dos céus.
No pára-choques de um camião estava escrito: “Deus sem ti é Deus. Tu sem Deus és nada.” Grande verdade. Reconheçamos hoje e sempre a nossa constante dependência dEle.

Lições de um Cego

"Perguntou-lhe Jesus: Que queres que Eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver." Marcos 10:51
Eugene era um príncipe rejeitado. Raquítico, feio, pálido, doentio e corcunda. Todos, no castelo de Luís XIV, o ignoravam.
O jovem príncipe circulava no meio das sombras do castelo, despercebido dos nobres que compareciam aos bailes e festas.
Os amigos de Eugene eram os escravos. Ninguém mais queria conversas com ele. Eugene queria ser um soldado, de modo que foi falar com Luís XIV e pediu-lhe um posto no seu exército. Luís nem olhou para ele. Este foi um dos maiores erros que o rei francês cometeu.
Eugene escapou do palácio disfarçado de mulher e fugiu para Viena, onde os turcos estavam a invadir a Europa. Ali ele conseguiu entrar no exército austríaco. Agora o príncipe era mais do que uma sombra num castelo – era um soldado, e dos bons. Aos 20 anos tornou-se oficial do exército; aos 29, marechal de campo; aos 40, comandante supremo da Áustria. Nos anos seguintes ele foi um tormento para Luís XIV, e mais tarde Napoleão o reconheceu como um dos grandes generais de todos os tempos.
Bartimeu, além de cego, sentia-se rejeitado, pois acreditava-se que uma deficiência física era castigo de Deus. Embora cego, era também decidido. Ele não ficaria calado. Quando ouviu o ruído da multidão e soube que Jesus estava vindo, sentiu que a sua oportunidade de ser curado se aproximava, e clamou em voz alta: “Jesus, Filho de David, tem compaixão de mim!”
Jesus parou e mandou chamá-lo. Bartimeu voltou a ver e tornou-se num seguidor de Jesus Cristo. E a partir daquele dia não foi mais o mesmo, pois ele sabia que tinha importância. A sua cura provava isso.
Um jovem africano foi sequestrado e forçado a cruzar o oceano num navio negreiro. Após passar meses comendo alimentos estragados, no meio de doenças, mau cheiro de dejectos humanos, e vendo muitos morrerem ao seu lado, o jovem chegou à América.
Os comerciantes empurraram-no para o local do leilão. Para surpresa de todos, este escravo não pendia a cabeça em sinal de humilhação, como a maioria. Mantinha-se erecto, com o peito aberto, o queixo erguido, e o olhar altivo. A multidão, agitada, murmurava. Por que é que este escravo era tão diferente?
O mercador de escravos sabia a razão, e disse ao povo: ‘Este jovem é filho de um rei na África, e não consegue esquecer-se disso.
Creio que Bartimeu sentiu a mesma coisa após se encontrar com Jesus: Tal qual tu e eu, ele era filho de um Rei, e jamais se esqueceria disso.

Beautiful - Kari Jobe

Aqui diante do Teu altar
Eu estou deixando ir tudo que eu segurei
De todos os motivos, todos os encargos
Tudo o que é de mim

E eu só quero esperar em Ti, meu Deus
Eu só quero me debruçar sobre quem Tu és

Lindo, lindo
Oh, eu me perco ao tentar dizer mais
Lindo, lindo
Oh Senhor Você é linda para mim

Aqui em sua presença
Eu não tenho medo de quebrantamento
Para lavar seus pés com lágrimas humildes
Eu me derramaria até que nada restasse

E eu só quero esperar em Ti, meu Deus
Eu só quero me debruçar sobre quem Tu és

Lindo, lindo
Oh, eu me perco ao tentar dizer mais
Lindo, lindo
Oh, Senhor, Tu és lindo para mim

Lindo
Você é lindo, oh Você é lindo
Lindo, lindo

Santo, santo, santo Tu és, Tu és
Santo, santo, santo Tu és, Tu és
Santo, santo, santo Tu és, Tu és
Santo, santo, santo Tu és, Tu és

Lindo, lindo
Oh, eu me perco ao tentar dizer mais
Lindo, lindo
Oh, Senhor, Tu és lindo para mim

Tu és lindo
Lindo, lindo
Lindo, lindo
Lindo

Conheces a Bíblia?

"Então, o diabo O levou à Cidade Santa, colocou-O sobre o pináculo do templo e Lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-Te abaixo, porque está escrito: Aos Seus anjos ordenará a Teu respeito que Te guardem; e: eles Te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra." Mateus 4:5, 6


Quando Jesus foi baptizado, Satanás ouviu muito bem a voz do céu que disse: “Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo” (Mt 3:17). Nessa ocasião o semblante de Cristo resplandeceu à luz do céu. Entretanto, após 40 dias de jejum, no deserto, Sua aparência tinha mudado muito. Estava agora pálido, esgotado, magro e mais parecia um ser humano a ponto de morrer do que o Filho de Deus. Daí a dúvida que o diabo tentou lançar na mente de Jesus, começando as duas primeiras tentações com as palavras: “Se és Filho de Deus...”
Essas tentações, na verdade, consistiam em levar Jesus a usar o Seu poder em benefício próprio. Mas Jesus tinha concordado em viver como ser humano e em não usar qualquer tipo de poder que não nos estivesse disponível. Como seres humanos, temos acesso ao poder que vem do alto, não de dentro de nós. Jesus tinha acesso ao poder dentro de Si, mas não poderia utilizá-lo se quisesse salvar a humanidade. O diabo não nos pode tentar nesse aspecto, pois não temos poder próprio. Jesus tinha.
O âmago dessas tentações era o seguinte: “Será que confias em Deus o suficiente para esperar que Ele te diga o que fazer? Ou resolverás o problema por Ti próprio e agirás independentemente?” Raoul Dederen diz: “Quando tu e eu somos tentados hoje, a situação é a mesma. Quando caminhamos pelas ruas da cidade, ou quando assistimos à televisão, ou conversamos, lemos um livro, ou nos deitamos – qualquer que seja a forma que a tentação assuma, o ponto crucial é este: Continua Deus a ser o primeiro na minha vida? Submeto-me à Sua palavra, ou tomo as rédeas nas minhas próprias mãos?”
Na segunda tentação, o diabo citou as Escrituras, mas fora de seu contexto. Para provar que o diabo tinha aplicado mal as palavras do Salmo 91:11, 12, Jesus citou outro texto: Deuteronômio 6:16: “Não tentarás o Senhor, teu Deus”, cujo contexto estabelece as circunstâncias sob as quais as bênçãos de Deus devem ser solicitadas (v. 17-25). Isso significa que, além de conhecer bem as Escrituras, é preciso conhecer também a vontade de Deus.
“Cristo não venceu só porque citou as Escrituras, como alguns pensam. Ele venceu porque colocou Deus em primeiro lugar”. (Raoul Dederen)
Este é o segredo da vitória.

Courage to Stand - Emily Bond

Vídeo Musical do 3º Trimestre – Adventist Mission

LEVANTA-TE!

João 5:1 a 9
"Ora em Jerusalém há, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres. Nestes jazia grande multidão de enfermos; cegos, mancos, e paralíticos, esperando o movimento das águas." João 5:2 e 3. “Em certo tempo as águas desse tanque eram agitadas, e acreditava-se comummente que isso era o resultado de poder sobrenatural, e que aquele que primeiro descesse a elas depois de haverem sido movidas, ficaria curado de qualquer enfermidade que tivesse. Centenas de sofredores afluíam ao local; tão grande, porém, era a multidão quando a água era agitada, que todos se precipitavam para diante, atropelando homens, mulheres e crianças mais fracos que eles. Muitos não se podiam aproximar do tanque. Muitos dos que conseguiam até ali chegar, morriam à beira dele. Haviam-se construído em torno do mesmo abrigos para protecção dos doentes contra o calor do dia e frio da noite. Alguns havia que passavam a noite nesses alpendres, arrastando-se para a beira do tanque dia a dia, numa vã esperança de cura.” (Desejado de Todas as Nações, 201)
O movimento das águas era real, e pode facilmente ser explicado como fenómeno natural. Várias das fontes de Jerusalém são intermitentes; é dizer, a água sai com um grande caudal por uns momentos y pouco depois cessa. Se o tanque de Betesda era abastecido por uma dessas fontes, a pressão da água poderia facilmente agitar a calma do tanque. Alguns morriam na beira do tanque, os mais fracos acabavam por ser pisados pelos que se encontravam em melhores condições físicas na sua correria até ao tanque. Centenas de doentes visitavam este lugar.
Estas informações ajudam-nos a compreender toda a situação.
“E estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, se achava enfermo.
E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse-lhe: Queres ficar são?
O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.
Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda. Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado.” João 5:5 a 9
Muitas vezes nas nossas vidas também Jesus nos diz: levanta-te, sai desse teu leito a que te entregas diariamente…
Sabem? Se eu creio eu vou-me levantar. O enfermo creu e fez o esforço para se levantar e conseguiu!
Muitas vezes não conseguimos superar problemas ou dificuldades nas nossas vidas, em primeiro lugar porque não cremos que Jesus nos vai ajudar, e em segundo lugar porque não nos levantamos, ou seja, nada fazemos para alterar a situação em que nos encontramos.
No caso do paralítico de Betesda o processo de cura implicou dois tipos de acção, crer e levantar. O processo continua a ser o mesmo para nós: CRER + FAZER.
Não fiques deitado, Jesus está á tua espera.

Texto base-Pr. Roberto Arnolds

INDIGNO DA SANTA CEIA?

Um jovem perguntou a seus pais porque havia tantos membros de igreja que no dia da Santa Ceia simplesmente ficavam em casa.

Seria por sentirem-se culpados?

Seria por não terem os assuntos com o Senhor em dia?

Seria por não terem feito as pazes com o seu irmão ou irmã?

A Santa Ceia é um convite de Jesus a todos nós. Só precisamos de arrepender-nos e pedir perdão. A Deus e ao nosso próximo. É esse o caminho que Deus preparou para cada um de nós. É isso que importa. Esta é a solução – é não deixar de participar. A Santa Ceia é uma oportunidade para fazer uma autoavaliação. Como está a minha relação com Deus? Como está a minha relação com os meus familiares, irmãos na fé, amigos, colegas e vizinhos?
No próximo Sábado celebraremos a Santa Ceia. Tens uma semana para preparar-te . APROVEITA!

21º Aniversário Desbravadores Figueira da Foz


A 700 Metros de Profundidade

De certeza que já ouviste falar do acidente ocorrido numa mina no Chile.
Esta carta foi escrita por um mineiro para o Pastor Adventista que teve a ideia de enviar 33 Bíblias para o fundo do que resta da mina.

Pastor: …
Desde aqui em baixo o saúdo a si e à sua família pelas suas orações por nós os 33 mineiros.
Digo-te que aqui estamos todos tranquilos e sei que Deus, o todo-poderoso, nos está protegendo desde o primeiro dia em que tudo isto aconteceu.
Digo-te que aqui se ora às 12 horas todos os dias desde o acidente.
Aqui há gente de todos os credos, religiões. Todos irmãos em Deus. Custa-me um pouco escrever… sinto algo dentro que faz com que seja difícil pensar… se Deus nos deixou com vida é porque algo nos tem preparado para quando sairmos.
Aqui há muito tempo para pensar e orar.
Para si e família:
Só Jesus nos faz descansar de tal maneira que nossa pesada carga se converte em algo leve e fácil de levar. De este modo se nos abre um panorama cheio de esperança, onde as aflições se tornam num futuro consolador.
Despedindo-se de si e de sua família,

Esta carta fez-me pensar também. Este homem, apesar de toda a situação lhe ser totalmente desfavorável continua a confiar em Deus e nos desígnios que Ele tem para a sua vida.
E nós, que estamos confortavelmente em nossas casas, nos nossos trabalhos, nas nossas vidinhas. Não será que Deus também tem algo preparado? Ou será que Ele está à espera que saiamos dos “buracos da nossa vida” e Lhe perguntemos: Senhor que queres que eu faça? A Ti me entrego! Deus tem algo também preparado para nós, estás disposto a aceitá-lo?

Podem ver o original da carta em: http://www.portaladventista.org/portal/asn---espa/3576-minero-atrapado-manda-carta-desde-la-profundidad-de-la-mina-a-pastor-adventista

Praying For You

O dia em que o mundo parou

A 11 de Setembro de 2001, num ataque terrorista sem precedentes na história dos Estados Unidos, dois aviões sequestrados atingiram as torres gémeas do World Trade Center, em Nova York. O mundo parou para assistir ao vivo, diante das câmaras de televisão, os imponentes prédios desabarem ainda em chamas. Mais de três mil pessoas morreram.
Tal e qual a destruição do templo de Jerusalém, no ano 70, não ficou pedra sobre pedra. Essas ocorrências trágicas nos remetem à descrição dos flagelos que se abaterão sobre a Terra pouco antes da vinda de Cristo, quando cairão “as cidades das nações” (Ap 16:19), juntamente com as instituições políticas.
“Ora, ao começarem estas coisas a suceder”, advertiu Cristo, “exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima” (Lc 21:28). Por outras palavras, nestas ocasiões o cristão experimentará sentimentos contraditórios: tristeza e perplexidade pela devastação física e perda de vidas humanas, e ao mesmo tempo exultação porque a sua redenção se aproxima.
É interessante observar que as grandes tragédias provocam um efeito imediato nas pessoas, levando-as à reflexão espiritual. O Dr. Samuel Bacchiocchi escreveu que “as imagens chocantes das torres do WTC queimando-se e desmoronando como caixas de papelão, desafiaram muitos americanos complacentes, egocêntricos e auto-suficientes a reconhecer sua finitude e desamparo, levando muitos a buscar a Deus após aquela malfadada data. Parece que os ateus desapareceram após o 11 de Setembro. O comparecimento às igrejas e sinagogas quase duplicou do dia para a noite.
“Na semana seguinte a 11 de Setembro, 400 casais na área de Boston retiraram seus papéis de divórcio e decidiram continuar juntos. Estes acontecimentos positivos sugerem que a tragédia de 11 de Setembro desafiou as pessoas a reexaminarem sua vida, a humilharem o seu coração, e a arrepender-se de seus pecados.”
Infelizmente, porém, à medida que a tragédia vai ficando distante, as pessoas vão voltando à velha vida. Há necessidade de um reavivamento permanente, não provocado por tragédias ou pelo medo, mas pelo desejo de viver uma nova vida em Cristo, tanto aqui como na Nova Terra.

Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada. Mateus 24:2
Fonte: http://www.cpb.com.br/

VII Regata JA - 1 a 5 de Outubro 2010

Prezados Tições, Desbravadores, Companheiros e Seniores...
…vimos convidar-vos a participarem na VII Regata JA, desta vez nas águas da Lagoa da Alverca, na Golegã, a Capital do Cavalo.
As aventuras serão muitas, mas a maior aventura que juntos poderemos viver é a de nos deixarmos conduzir pelo Mestre dos mestres, que nos convida para tal e que anseia tomar nas Suas mãos o leme das nossas vidas.
Que o nosso e o vosso propósito, da direcção e dos participantes deste encontro, seja “Comunicar Cristo” através do desporto, do convívio e do evangelismo.
Aguardamos a vossa participação!
Até breve!
A VII Regata JA pensou em todos os jovens DESBRAVADORES que em outras regatas não podiam participar activamente nas actividades, seja pela falta de tempo ou mesmo porque não faziam parte das equipas participantes...
O "Aventura Total" é um pacote de actividades totalmente revolucionário, dirigido aos elementos que não participam nas equipas das Provas de Regata. Os que o adquirirem terão a oportunidade de fazer as seguintes actividades, entres outras: Canoagem, Escalada, Arborismo, Orientação, Slide, Mergulho, Basebol, Voleibol e Hipismo.
Todas as informações e incrições em: http://www.juventudeadventista.pt/

Uma organização da
Juventude Adventista
com o apoio da
C. M. da Golegã

The Motions

A Viúva

E, chamando os Seus discípulos, disse-lhes: E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva depositou mais do que todos os que depositaram na arca do tesouro. Marcos 12:43
Cristo não Se impressionava com pessoas arrogantes e vaidosas, que faziam as coisas para receber louvores dos outros. Ele não valorizava aqueles que se orgulhavam de sua suposta piedade, depositando grandes somas de dinheiro nos cofres do Templo, para serem vistos.
Jesus dava mais valor a pessoas humildes e sinceras, como a viúva pobre, que veio ao Templo para depositar apenas duas moedinhas de pequeno valor. Provavelmente ninguém mais notou a oferta dela; só Jesus. Mas Ele foi a mais importante testemunha desse acto. Chamando Seus discípulos, disse-lhes que ela tinha dado mais do que todos os outros, porque eles deram do que lhes sobrava, mas ela deu tudo quanto possuía. Essa mulher pôs o seu dinheiro onde estava seu coração. E Jesus a elogiou. Alguém duvida que a viúva realmente amava a Deus?
Talvez o acto de devoção da viúva fosse uma indicação de que ela tinha aceitado as provações sem se revoltar contra Deus. Ela tinha perdido o marido. Quem já passou por essa experiência dolorosa conhece não apenas o sofrimento e a solidão, mas também a tentação para sentir amargura e ira.
A atitude da viúva faz-nos lembrar a história de uma família judia que perdeu alguns de seus membros no Holocausto. Mas eles continuaram a ir à sinagoga todos os sábados. Quando um amigo lhes perguntou por que é que eles eram tão assíduos na sua frequência aos sábados, eles responderam: “Queremos mostrar a Deus que superamos a nossa dor.”
Tu e eu não conhecemos os desígnios divinos. Quando ocorre uma tragédia, nossa reacção natural é: “Se Deus podia impedir isso, por que é que não o fez?” Ninguém de nós aceita facilmente a ideia de perder alguém a quem ama. Quando isto acontece, a cura leva tempo. E a viúva tinha superado a sua dor e continuava confiando em Deus.
Aquelas duas moedinhas depositadas no Templo podem ter sido uma expressão de que a viúva se tinha recuperado do seu luto. Ela tinha superado a sua dor. Depositou ali tudo o que possuía. Dali em diante teria de confiar totalmente em Deus para o seu sustento. Não é de admirar que Jesus a tenha elogiado.
Temos nós a mesma confiança na providência divina?

Exames Regionais – 12 de Setembro 2010

Os Exames Regionais terão lugar a 12 de Setembro de 2010 na Igreja Adventista de Coimbra às 10 horas.

Não devem esquecer, os interessados, que este dia serve para a entrega dos trabalhos do 1º Nível da Escola de Formação.

By Your Side

Não obstruas a luz


Oito da manha. A estação do metro está a abarrotar de pessoas. As carruagens estão cheias mas ainda assim as pessoas vão tentando encontrar um cantinho. Não podem chegar tarde a escola ou ao trabalho. “Por favor mantenham os acessos às carruagens livres para podermos prosseguir a viagem” ouviu-se uma voz nas colunas de som. Um suspiro de indignação passa pelas carruagens. O metro permanece parado. A mesma voz repete a mensagem, desta vez um pouco mais irritada. Uns olham para as horas. Sente-se a frustração dos passageiros. Tempo precioso a ser desperdiçado. Mais uma vez ouve-se a voz. Os segundos passam para minutos. Um casal comenta que já não devem conseguir apanhar o comboio. A tensão sobe. Por quarta vez ouve-se a mesma voz: “Agradecíamos que o passageiro da última carruagem, da última porta tivesse a amabilidade de se afastar do acesso para podermos prosseguir a nossa viagem.” Após ter sido identificado o “culpado” o metro, por fim, põe-se em marcha.
Este pequeno episódio demorou 3 minutos. Tendo em conta que no metro seguiam umas 450 pessoas, devido à distracção, aos “ouvidos moucos”, à ignorância, à falta de consciência ou à preguiça de uma única pessoa, foram desperdiçados 22,5 horas! “O que é que eu fiz?” poderia perguntar esta pessoa. Nada de grave. Somente “obstruiu” a luz.
Quantos atrasos provoco eu? Quantas vezes obstruí a luz na minha vida? Por causa da minha apatia, secularismo e falta de compromisso com Deus posso impedir a “continuação da viagem” da minha vida espiritual e/ou daqueles que me rodeiam.
Deus tem um plano para a tua vida: “Porque Deus … é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo”. (II Coríntios 4:6)

Visita dos JA Aveiro e Almoço Convívio


O Retrato do Filho

Um homem muito rico e seu filho tinham uma grande paixão por arte. Tinham de tudo na sua colecção, de Picasso a Rafael.
Muito unidos, sentavam-se juntos para admirar as grandes obras de arte. Infelizmente, seu filho foi para guerra e, muito valente, morreu na batalha, quando resgatava outro soldado. O pai recebeu a notícia e sofreu profundamente a morte de seu único filho.
Um mês mais tarde, alguém bateu à sua porta. Era um jovem com uma grande tela nas suas mãos e disse: “O senhor não me conhece, mas eu sou o soldado por quem o seu filho deu a vida; ele salvou muitas vidas nesse dia e estava levando-me a um lugar seguro quando uma bala lhe atravessou o peito, morrendo instantaneamente. Ele falava muito de si e do seu amor pelas artes.”
O rapaz estendeu os braços para entregar a tela: “Eu sei que não é muito, e eu também não sou um grande artista, mas sei também que o seu filho gostaria que o senhor recebesse isto.”
O pai abriu a tela. Era um retrato de seu filho, pintado pelo jovem soldado. Ele olhou com profunda admiração a maneira com que o soldado tinha capturado a personalidade de seu filho no quadro. O pai estava tão atraído pela expressão dos olhos do seu filho, que os seus próprios olhos se encheram de lágrimas. Ele agradeceu ao jovem soldado, e ofereceu-se para lhe pagar o quadro. “Não, senhor, eu nunca poderei pagar o que seu filho fez por mim! Essa pintura é um presente.”
O pai colocou a tela à frente de suas grandes obras de arte, e a cada vez que alguém visitava sua casa, ele mostrava o retrato do filho, antes de mostrar a sua famosa galeria.
O homem morreu alguns meses mais tarde e anunciou-se então um grandioso leilão de todas as suas obras de arte. Muita gente importante e influente chegou ao local, no dia e horário marcado, com grandes expectativas de comprar verdadeiras obras de arte.
Em exposição estava o retrato do filho. O leiloeiro bateu com o seu martelo para dar início ao leilão:
“Começaremos o leilão com o retrato “O FILHO”. Quem oferece o primeiro lance? Quanto oferecem por este quadro?”
Um grande silêncio…
Então ouviu-se um grito vindo do fundo da sala:
“Queremos ver as telas famosas! Esqueça esta!”
O leiloeiro insistiu: “Alguém oferece algo por esta pintura? 100€! 200€? …”
Mais uma vez ouviu-se outra voz: “Não viemos aqui para comprar este quadro, viemos por Van Gogh, Picasso… Vamos é às ofertas de verdade.”
Mesmo assim o leiloeiro continuou…
“Quem leva O FILHO?”
Finalmente, uma voz: “Eu dou 10€ pelo quadro.” Era o velho jardineiro da casa. Como era um homem muito pobre, esse era o único dinheiro que podia oferecer.
“Temos 10€! Quem dá 20€?”, gritou o leiloeiro.
As pessoas já estavam irritadas, não queriam o quadro do filho, queriam os que realmente eram valiosos para as suas colecções.
Então o leiloeiro bateu o martelo: “Dou-lhe uma, dou-lhe duas, vendido por 10€!”
“Finalmente vamos começar com a colecção!” gritou alguém.
O leiloeiro soltou seu martelo e disse: “Sinto muito, damas e cavalheiros, mas o leilão chegou ao seu final”.
“Mas, e os quadros?” – perguntaram os interessados.
“Sinto muito”, disse o leiloeiro, “quando me chamaram para fazer o leilão, havia um segredo estipulado no testamento do antigo dono. Não seria permitido revelar esse segredo até esse exacto momento. Somente a pintura O FILHO deveria ser leiloada; aquele que a comprasse, herdaria absolutamente todas as suas posses, inclusive as famosas pinturas. O homem que comprou O FILHO, fica com tudo!“
Deus entregou Seu único filho para morrer por nós numa cruz dando-nos a possibilidade de herdar a vida eterna e o reino celestial.
Como condição apenas nos pede que amemos e que sigamos as pegadas de Seu filho.
Às vezes complicamos o que é fácil.

O Semáforo - Alex Zurdo

No triângulo lateral das opções do Youtube podem seleccionar as legendas em Português. Só funciona vendo directamente na página do Youtube.

A ROCHA

Um homem dormia na sua cabana quando de repente uma luz iluminou o seu quarto e lhe apareceu Deus.
O Senhor disse-lhe que tinha um trabalho para ele e mostrou-lhe uma grande rocha que estava na frente da sua cabana. Explicou-lhe que deveria empurrar a pedra com todas as suas forças.
O homem fez o que Deus lhe pediu. Durante muitos anos, dia trás dias, desde que o sol saía até que ele se punha, o homem com todas as suas forças empurrava aquela fria pedra, … mas ela não se movia.
Todas as noites o homem regressava à sua cabana muito cansado e sentindo que todos os seus esforços eram em vão.
Como o homem começou a sentir-se frustrado, Satanás decidiu entrar também no jogo levando pensamentos á sua mente: “Empurraste essa pedra durante tanto tempo e ela não se mexeu nem sequer um pouco.”
Ao homem começou a dar-lhe a sensação de que a tarefa que lhe tinha sido dada por Deus era impossível de realizar, e que ele mesmo era um fracassado. Estes pensamentos aumentaram o seu sentimento de frustração e desilusão.
Satanás disse-lhe: “Porque é que te esforças tanto durante todo o dia numa tarefa que é impossível? Não te canses, faz só o mínimo esforço, isso será suficiente.”
O homem começou seriamente a pensar em por isso em prática mas antes decidiu elevar uma oração ao Senhor e confessar os seus sentimentos: “ Senhor, trabalhei duro durante muito tempo no teu serviço. Empreguei todas as minhas forças para conseguir fazer a obra que me pediste, mas ainda assim, não consegui mover a rocha nem sequer um milímetro, porquê? Porque é que fracassei?
O Senhor respondeu-lhe com compaixão e ternura: “ Querido amigo, quando te pedi que me servisses e tu aceitaste, disse-te que a tua tarefa era empurrar a rocha com todas as tuas forças, e foi o que tu fizeste. Nunca te disse que esperava que a movesses. A tua tarefa era só empurrar. Agora vens até mim sem forças dizer-me que fracassaste, mas, na realidade será que fracassaste? Olha para ti agora, os teus braços estão fortes e musculados, as tuas costas estão fortes e bronzeadas, as tuas mãos tem calos e as tuas pernas estão duras e robustas. Ao enfrentar as adversidades cresceste muito e agora és muito mais hábil do que alguma vez já foste. Está certo, não moveste a rocha, mas a tua missão era empurrar e confiar em mim. Isso tu conseguiste. Agora, querido amigo, Eu moverei a rocha.”
Algumas vezes quando ouvimos a palavra do senhor, tratamos de utilizar o nosso intelecto para decifrar a sua vontade, quando na realidade Ele só nos pede que confiemos Nele.
Devemos exercitar a nossa fé que pode “mover montanhas”, mas conscientes de que é Deus quem afinal as faz mover.
Quando tudo parece ir mal… Apenas empurra!
Quando te sintas cansado … Apenas empurra!
Quando ninguém te compreende… Apenas empurra!
Quando te sintas cansado e sem forças… Apenas empurra!
Nos momentos difíceis pede ajuda ao Senhor, Ele vai guiar os teus passos.

Segredo de Estado


A data do Dia D – 6 de Junho de 1944 – quando os aliados invadiriam a Normandia, na Segunda Guerra Mundial, era um segredo de Estado conhecido apenas por um pequeno grupo de estrategistas e chefias militares empenhadas na derrota de Hitler.
O General De Gaulle, comandante francês, figurava entre aqueles que souberam antecipadamente em que momento se daria o desembarque. Um de seus mais íntimos auxiliares não conteve a curiosidade e perguntou-lhe quando seria o “Dia D”.
– Tu és capaz de guardar o segredo? – perguntou o comandante?
– Sem dúvida – jurou o subalterno.
– Eu também – encerrou De Gaulle.
Cristo adoptou uma atitude semelhante, quando os Seus discípulos Lhe perguntaram: “Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? Ele respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela Sua exclusiva autoridade” (At. 1:6, 7).
Ao longo da era cristã muita gente tem procurado descobrir uma data que Deus achou por bem não revelar a ninguém – o dia da vinda de Cristo. Os adventistas não tem sido excepção à regra, após o Desapontamento de 1844, José Bates, um dos nossos mais queridos pioneiros, começou a pregar que Jesus voltaria no Outono de 1851.
A Sra. White opôs-se a isto, escrevendo em 21 de Junho de 1851 o seguinte: “O Senhor mostrou-me que a mensagem deve ir, e que não deve depender de tempo. Pois o tempo não será nunca mais uma prova” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 188).
Em 1892 ela repetiu a advertência: “Não sereis capazes de dizer que Ele virá dentro de um, dois ou cinco anos, nem deveis protelar Sua vinda declarando que talvez não ocorra dentro de dez ou vinte anos” (Eventos Finais, p. 30).
Mas não adiantou nada, pois novas datas continuaram a ser marcadas: 1928, 1964, 1994, 2000. Por que será que tantas pessoas têm, de diversas maneiras e cálculos, procurado descobrir aquilo que o Senhor não nos quis revelar? Será que é para saberem quanto tempo ainda lhes resta para continuar a ser negligentes e descuidados na sua preparação para a Sua vinda?
Quem estiver preparado a cada instante não terá essa preocupação e não será tomado de surpresa. Deus só revelará o dia e a hora da vinda de Jesus, ao povo remanescente, após a ressurreição especial (ver O Grande Conflito, p. 637, 640).
Até lá a palavra-chave é: Vigiai.
A salvação não é uma meta atingível, é um caminho diário ao lado de Cristo. Mantém-te ao Seu lado, sempre.

Sierra de Gredos - O Filme

NOTA DA PRODUÇÃO:
Por motivos ainda desconhecidos, o vídeo saiu com alguns problemas.
Mas como o prometido é devido, não quisemos deixar de partilhar o filme que preparámos relativamente à viagem à Serra de Gredos, patrocinada pela CRC Séniores.
Assim que os problemas forem resolvidos, carregaremos aqui o video final, para deixar-mos todos aqueles que não foram (ou não puderam ir), a contorcerem-se de inveja.

Contente com migalhas?

Ela, porém, Lhe respondeu: Sim, Senhor; mas os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem das migalhas das crianças. Marcos 7:28

A vida era difícil para Anastácia (a Bíblia não menciona seu nome, mas vamos chamá-la assim). Ela era uma mulher grega, de origem siro-fenícia, cuja filha estava endemoninhada. Anastácia passava muitas noites em claro, vendo a filha sofrer com longos acessos de gritos e convulsões. Mãe e filha eram prisioneiras em sua própria casa.
Anastácia já havia passado horas e horas diante de deuses pagãos e gastara muito dinheiro em oferendas e sacrifícios, inutilmente. Então ela ouviu falar de um Galileu que curava todo tipo de doenças, e que estava agora nas terras de Tiro e Sidom. As notícias correram velozmente: “Ele cura a todos, indistintamente, não só os judeus. E não cobra nada!”
Anastácia encheu-se de esperança. Ela não podia perder esta oportunidade! Saiu perguntando aqui e ali até descobrir o paradeiro de Jesus, numa casa em que Ele esperava ficar em paz e no anonimato. Em desespero, prostrou-se aos Seus pés rogando-Lhe que expulsasse de sua filha o demónio.
A primeira reacção de Cristo foi o silêncio. Então veio a rejeição por parte dos discípulos, pedindo a Cristo que a mandasse embora, e finalmente a aparente rejeição de Cristo: “Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15:24). Mas a mulher não desistiu. Então Cristo expressou a típica atitude judaica de que os gentios eram indignos das bênçãos celestiais: “Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos” (v. 26), isto é, o pão da salvação que Deus havia confiado aos judeus para ser distribuído aos gentios, mas que os judeus egoisticamente conservavam para si mesmos.
Ela não se sentiu ofendida com essa comparação, porque mesmo esses pequenos animais domésticos participavam dos alimentos que sobejavam da casa. E percebendo a compaixão, que Jesus não conseguia disfarçar, respondeu: “Eu sei que eu sou apenas um cachorrinho pagão, mas ficarei contente com uma migalha desse pão. Uma migalha do Teu poder será suficiente para minha necessidade.” Jesus, surpreso com essa demonstração de fé, expulsou o demónio.
Anastácia saíra de casa pensando apenas no bem-estar da filha, mas encontrou muito mais do que isso: reconheceu nEle o Messias e entendeu que os gentios também eram filhos de Deus.
Muitos de nós contentamo-nos com migalhas espirituais, quando Deus está disposto a oferecer-nos um banquete.

Rita & Júlio

Olá amigos DESBRAVADORES da Figueira da Foz,
Como vocês já sabem desde há muito tempo, nós vamo-nos casar este Domingo às 5 horas da tarde no parque da Costa de Lavos. Casamento para o qual já foram todos convidados.
Mas nós gostaríamos de alargar o convite para que aparecessem logo de manhã e viessem fazer-nos companhia e fazer desporto. Poderiam trazer já a roupa para a tarde e almoçar connosco.
Que vos parece?
Nós contamos com vocês!!!!
Um beijo e um abraço,
Rita & Júlio

Longevidade na Califórnia

Crescendo com as Fraquezas


Todos temos fraquezas, embora tenhamos a tendência de pensar que os defeitos dos outros são piores do que os nossos. Algumas fraquezas são físicas, outras mentais, morais ou espirituais. Algumas têm a ver com o nosso trabalho, outras com a vida conjugal ou familiar, e outras com o nosso relacionamento com Cristo. Alguns têm temperamento explosivo, outros não sabem lidar com as pessoas. Uns têm fraquezas sexuais, outros são gananciosos. Uns são orgulhosos, outros não têm firmeza de carácter. Não há ninguém perfeito.
Mas as fraquezas podem se converter em forças, se nos levarem a crescer. George Reedy foi secretário de imprensa do presidente Lyndon Johnson, e convenceu o presidente a não ter assessores com menos de 40 anos de idade que não tivessem sofrido uma grande decepção na vida. Reedy pensava que pessoas sem essa maturidade e sem essa frustração, ao serem colocadas em cargos de poder, se considerariam pequenos deuses.
Na verdade, obter muito sucesso cedo na vida pode estragar-nos, pois começamos a pensar que somos muito espertos, e passamos a confiar mais em nossa capacidade do que em trabalho árduo. Pior do que isso: passamos a confiar mais em nós mesmos do que em Deus.
Todas as pessoas que fizeram algo importante na vida sabem o que é fracassar, pois os fracassos iniciais podem ser a chave para os sucessos posteriores.
Um casal teve um filho deficiente mental. Eles ficaram arrasados, mas amaram Allan como a qualquer outro filho. Construíram um quarto com paredes de vidro, para que de qualquer lugar da casa pudessem observá-lo. Durante 17 anos a mãe dormiu ao lado de Allan, com a mão junto ao seu coração. Se ele começasse a ter problemas respiratórios, ela acordava e lhe ministrava respiração artificial.
Um dia a filha da vizinha caiu de uma árvore e partiu o braço. A mãe deixou Allan no quarto e levou a menina às pressas para o hospital. Ela estava na sala de emergência com a vizinha, quando seu marido chegou, carregando o corpo de Allan. Ele tinha morrido enquanto ela estava no hospital.
Eles choraram ao vê-lo descansando em paz. Mas então deram graças a Deus pelo dom desse filho, pois, como disse a mãe, “ele nos ensinou a amar”.
As nossas fraquezas podem se converter em forças, se nos ensinarem a crescer.
Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. 2 Coríntios 12:10

21º Aniversário Desbravadores Figueira da Foz


Vejo-Te


Vejo-Te

Te vejo nos momentos de dor
Te vejo na noite
Quando na vida o sol se apagar
Te vejo na luz
Te vejo em um sorriso e no amor
Te vejo em meus sonhos
Vejo tus mãos a me guiar
Sempre estarás

Sinto teu abraço, tua expressão
És tão fiel e não há razão
Que faça duvidar de teu coração
Sinto tua mão sobre mim
Sinto teu amor e posso ouvir
Tuas palavras e tua voz
Sempre és fiel

Te vejo no deserto e na aflição
Te vejo no vale
Vejo tua mão tampando o sol
Cubrindo-me
Te vejo em cada passo que eu dou
Te vejo em meus planos
Vejo tua mão a me guiar
Sempre és fiel .

Trad.: http://www.letras.com.br

A Montanha

Meu pai viveu quarenta anos nas montanhas do meu país, o Perú. Ele passava cinco dias por semana enterrado, embaixo da terra, trabalhando nas minas.
Sábado e domingo saía.
Seu "hobby" quando estava sozinho, era subir as montanhas. Ele não era um alpinista. Ele não tinha corda, nem equipamento necessário, mas gostava de subir montanhas.

Há uma montanha, lá onde meu pai morava, chamada Puipui, uma montanha de mais ou menos seis mil metros acima do nível do mar.
Ele sonhava conquistar aquela montanha.
Ele queria subir e colocar uma bandeira no topo quando chegasse lá.
Meu pai, quando nós éramos pequenos, gostava de mostrar as montanhas e dizer: "Eu plantei uma bandeira naquela montanha.
Plantei outra naquela lá."
E ia apontando suas conquistas na cadeia de montanhas que existia na região das minas onde ele trabalhava.
Mas ele nunca conseguiu subir a montanha de Puipui.
Eu devia ter quatorze anos e meu irmão dezessete quando ele disse: "Desta vez eu vou subir o Puipui e vou com vocês."
Saímos às quatro da manhã, andamos, andamos, andamos, andamos até que começamos subir a montanha.
À medida que subíamos, meu irmão e eu víamos o cansaço do meu pai.
Meu pai casou muito tarde, com cinqüenta anos.
Quando eu tinha quatorze e meu irmão dezessete, ele já tinha bastante idade.
Nós podíamos perceber o cansaço nos olhos, no corpo, no rosto do meu pai, mas continuávamos subindo, subindo.
Nós resistíamos, mas sentíamos que ele estava perdendo o fôlego.
De repente meu pai parou.
Faltavam uns cinqüenta a sessenta metros para chegarmos ao topo da montanha, mas ele se deitou cansado perto de uma rocha e disse:
"Filhos, eu não posso mais!
Não posso mais!"
Meu irmão mais velho, tentando encorajá-lo, disse:
"Pai, descanse. Descanse o tempo que quiser, mas você vai chegar com a gente lá em cima."
E ele respondeu:
"Não filhos, eu não posso mais."
Meu irmão insistiu:
"Mas pai, você sempre sonhou chegar no topo de Puipui, e faltam só cinquenta metros!
A gente espera.
Nós não vamos sem você."
E ele disse uma coisa que nunca vou esquecer:
"Continuem.
Cheguem vocês.
Eu vou ficar olhando.
Cheguem lá e coloquem a bandeira.
Porque se vocês o fizerem, será como se eu estivesse fazendo.
Eu conquistei muitas montanhas, mas desta vez cheguei até aqui e não posso mais.
Mas vocês são a prolongação da minha vida, vocês são a minha vida.
Vocês chegarão lá, eu não posso mais."

Pr. Alejandro Bullón

Na tua vida não podes pactuar com as dificuldades, ou as vences ou és vencido por elas.
Com Jesus na tua vida tudo é possível!

Ao final - Lilly Goodman

Eu vi a dor aproximar-se de mim
Causar-me feridas, golpear-me assim
E até cheguei a perguntar-me onde estavas Tu
Fiz perguntas em minha aflição
Buscando respostas sem contestação
E até duvidei por instantes da tua compaixão
E aprendi que na vida tudo tem um sentido
E descobri que tudo acontece para o bem...

[refrão]

E que ao final será
Muito melhorO que virá
É parte de um propósito
E todo bem sairá
Sempre tens estado aqui
Tua palavra não falha
E nunca me deixa
Descansa minha confiança sobre Ti

Eu tenho estado entre a espada e a perede
Rodeada de insônia, sem saber o que fazer
Pedindo a gritos Tua intervenção
Às vezes me falaste de uma vez
Em outras o Teu silêncio só escutei
Que interessante, Tua forma de responder
E aprendi que o que passa abaixo do céu
conheces Tu, que tudo tem uma razão...